Amor Homoafetivo do Rei Davi por Jônatas

O Príncipe e o Pastor: a história de um amor incondicional


Dois jovens: um príncipe e um belo pastor de ovelhas. O que poderia haver em comum entre dois homens tão diferentes? A Bíblia responde: um sentimento de amor tão intenso que em toda a Escritura não se vê nada parecido, nem entre um homem e uma mulher. Como assim? A Bíblia descreve tal amor entre dois homens? A resposta é: “sim”. Estamos falando do príncipe Jônatas, filho do rei Saul e do pastor Davi, filho mais novo de Jessé, um fazendeiro idoso de Belém.

Um dos assuntos mais delicados para a Teologia em si é o envolvimento que houve entre Davi e Jônatas. De um lado, temos defensores de que houve, sim, um relacionamento entre eles; do outro lado, temos estudiosos que preferem acreditar que afirmar isso é completamente descabido – tais teólogos, claro, são maioria. Eu, Alexandre Feitosa, prefiro não afirmar nem uma coisa nem outra. Prefiro colocar-me em uma postura mais equilibrada, influenciada, portanto, pelas duas posições: a favorável e a contrária. Como assim, Alexandre? Para quem leu meu primeiro livro, Bíblia e homossexualidade, minha posição está bastante clara. Aos demais explicarei resumidamente neste artigo. Não pretendo que minhas conclusões sejam definitivas ou a verdade absoluta. De forma alguma! Bom, mas a que conclusão cheguei? Eu acredito que houve, sim, um sentimento de amor intenso entre Davi e Jônatas bem como gestos de carinho intenso, porém, sem configurar um relacionamento homoafetivo tal qual conhecemos.

Tenho defendido, ao longo dos meus estudos e escritos, que o conceito de homoafetividade era desconhecido da cultura bíblica judaica. Tal fato explica o silêncio da Bíblia com relação a tais relacionamentos – isso não quer dizer que não havia homossexuais! (Havia, sem dúvida, o que não havia era um conceito complexo de orientação sexual). Portanto, se afirmamos que Davi e Jônatas viveram um relacionamento homoafetivo, seria incoerente ou uma exceção à regra.

A Teologia Inclusiva tem sido bastante acusada de injetar na Bíblia o que ela não diz. A exegese consiste em utilizar métodos legítimos de interpretação bíblica a fim de se chegar ao sentido original do texto em estudo. A eisegese consiste em se fazer exatamente o contrário, ou seja, utilizar métodos duvidosos a fim de fazer a Bíblia dizer o que nós queremos. A história de Davi e Jônatas é um prato cheio para os críticos, afinal, embora a Bíblia revele um forte amor entre eles, não é clara em revelar um relacionamento afetivo em sua totalidade. Por isso, cautela é bom com relação a Davi e Jônatas, afinal, é sabido por todos que uma das grandes fraquezas de Davi eram as mulheres. Então, no máximo, o que podemos afirmar, ou melhor, conjeturar sobre ele, é que era bissexual. Praticamente o mesmo pode-se afirmar acerca de Jônatas, que fora casado e tinha um filho: Mefibosete.

De fato, há textos em que nossos protagonistas, Davi e Jônatas, colocam os teólogos tradicionais em uma situação bastante complicada! Os mesmos textos, entretanto, são vistos com grande triunfo por alguns defensores da Teologia Inclusiva, pois seria a prova bíblica de que Deus aprova os relacionamentos homoafetivos, afinal, dentre os vários pecados cometidos por Davi registrados nas Escrituras, nada está relacionado ao seu envolvimento com Jônatas. Além disso, a Bíblia o descreve como um homem segundo o coração de Deus (Atos 13.22).

A saia é tão justa para alguns eruditos, que muitas traduções bíblicas suavizaram ao máximo toda e qualquer evidência do amor que nutriam um pelo outro, especialmente o amor de Jônatas, forçando a Bíblia a dizer o que os originais não dizem! Comparemos, por exemplo, alguns textos em diferentes traduções. Tomamos como base de comparação, um texto mais literal. Escolhemos a versão Revista e Atualizada de Almeida. Compare as partes em negrito:






1 Samuel 18.01

Almeida Revista e Atualizada - 2000
“Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma.”

Bíblia Sagrada – Editora Vozes – 2005
“Quando Davi terminou de falar com Saul, Jônatas sentiu uma profunda amizade por Davi. Jônatas começou a gostar de Davi como de si mesmo.”

Nova Versão Internacional (NVI) – 2004
“Depois dessa conversa de Davi com Saul, surgiu tão grande amizade entre Jônatas e Davi que Jônatas tornou-se seu melhor amigo.”

Percebem como algumas edições modernas têm mutilado o texto original, tirando toda sua beleza, sentimento e poesia? Duas almas que se ligam tornaram-se amizade, e amar como à própria alma tornou-se gostar. É lamentável que um texto tão belo e profundo tenha sido barbaramente modificado! Mas não para por aí! Tem mais!

1 Samuel 20.41

Revista e Atualizada – 2000
“Indo-se o rapaz, levantou-se Davi do lado do sul e prostrou-se rosto em terra três vezes; e beijaram-se um ao outro e choraram juntos; Davi, porém, muito mais.”

Edição Pastoral - 2008
“Quando o servo foi embora, Davi saiu do esconderijo, caiu com o rosto por terra e se prostrou três vezes. Em seguida os dois se abraçaram e choraram bastante.”

Bíblia Vozes - 2005
“Quando o rapaz tinha ido embora, Davi se levantou do seu esconderijo do lado sul, caiu com o rosto por terra, prostrando-se três vezes; em seguida abraçaram-se e ambos choraram, sobretudo Davi.”

Perceberam como as duas últimas versões, bastante recentes, trocam o verbo beijar por abraçar?

Alguns podem até dizer que o beijo entre homens era bastante comum na cultura judaica. Sim, de fato era. Entretanto, não há nenhum relato de beijo recíproco entre homens! É, pode acreditar!

O último texto a compararmos está no segundo livro de Samuel, capítulo 1, versículo 26:

Revista e Atualizada – 2000
“Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; tu eras amabilíssimo para comigo! Excepcional era o teu amor, ultrapassando o amor de mulheres”.

Nova Versão Internacional (NVI) – 2004
“Como estou triste por você, Jônatas, meu irmão! Como eu lhe queria bem. Sua amizade era, para mim, mais preciosa que o amor das mulheres”.

O mais interessante é que o amor de Jônatas virou amizade na NVI, mas o amor das mulheres permaneceu como amor mesmo, embora no texto bíblico original, o substantivo hebraico seja o mesmo nos dois casos! Sem comentários sobre A NVI, pois já é velha conhecida nossa, uma das Bíblias que mais deturpam o texto sagrado!

Outras Bíblias têm seguido os mesmos passos da NVI, vejamos:

Almeida Século XXI – 2008
“Estou angustiado por ti, meu irmão Jônatas; tu eras muito querido a mim! Tua amizade era mais preciosa para mim do que o amor de mulheres”.

Bíblia Vozes - 2005
“Quanta dor sinto por ti, Jônatas, meu irmão! Quanto me eras caro e querido! Tua amizade me era mais maravilhosa que o amor de mulheres.”


Bom, pelo menos está claro quem está fazendo eisegese!

É bastante suspeita a atitude dos tradutores envolvidos nas versões citadas: ou eles creem no amor de Jônatas e Davi e querem eliminar isso, ou forçaram suas “bíblias” a dizer o que de fato eles pensam, ou seja, que tudo aquilo não passou de uma forte amizade.

De qualquer forma, após a dura despedida descrita em 1º Samuel 20.41, Davi e Jônatas não mais se encontrariam – o que reforça que não houve um relacionamento homoafetivo de fato, entretanto, tal sentimento permaneceu vivo, afinal, por amor de Jônatas, Davi acolheu seu único filho, Mefibosete, dando-lhe um lugar de honra quando assumiu o trono de Israel! Uma das mais lindas histórias de amor descritas nas Escrituras, amor incondicional, que sobreviveu à morte, certamente, um exemplo para qualquer relacionamento, seja de que ordem for.

1 comentários:

Lindo texto. Esclareceu muito pra mim.

Postar um comentário